Março 30, 2021

A Hipnose Clinica mudou a minha vida

Quando a minha ansiedade e insónia regressaram, o meu terapeuta sugeriu uma nova forma de tratamento. Os resultados desafiaram o meu cético interno.

Passou praticamente uma semana e eu não dormia mais de duas horas por noite.

Era o Verão de 2016 e eu passara a noite toda com o meu rosto nas palmas das mãos, a tremer, na casa-de-banho na entrada que dá acesso ao meu terceiro andar em Brooklyn. O passeio às 3 da manhã no meu bairro, que o meu namorado me encorajou a fazer com ele teve o efeito oposto de uma Xanax e a velocidade dos meus pensamentos ansiosos era fisicamente insuportável. Eu estava no meio de um novo teste de antidepressivos – o meu Lexapro parou de fazer efeito após sete anos – e eu não estava envolvida em insónia induzida pela ansiedade desde a faculdade, o género em que o sono não existe sem o uso da ajuda de auxiliares de sono prescritos. Eu estava muito cansada, mas a minha ansiedade fez-me ter medo de descansar.

Tomei uma decisão: internar-me num hospital psiquiátrico. Quando o meu namorado acordou, contei-lhe o meu plano, enquanto tentava não me afogar na minha vergonha.

“Querida, não há nada de errado em ir ao médico ou ao hospital, “disse-me ele. “Se partisses um braço, irias para aí. “

Antes de sair para o hospital, decidi falar com a minha terapeuta e ter o seu conselho. Ela disse-me que tinha uma ideia alternativa de tratamento para mim, alertando-me para “estar recetiva”.

“Precisas de ir ter com a Joanne. Ela faz milagres”, disse-me.

“O que faz ela? Não estou a entender”, disse eu.

“Ela é Hipnoterapeuta”, respondeu ela.

Antes daquele Verão, eu tinha como suposição, que a Hipnose envolvia controlar a mente, um relógio de bolso a balançar em frente ao meu rosto e eu, sem saber, a vomitar os meus segredos em palavras. Mas depois de chegar ao fundo do poço com a minha depressão, ansiedade, insónia, transtorno obsessivo-compulsivo e após uma dispensa do meu trabalho nos media, eu estava disposta a tentar qualquer coisa.

Naquele ponto, a vida tornou-se uma amálgama de “Dia da Marmota” e “Boneca Russa”. Foi um eufemismo afirmar que o cocktail de problemas de saúde mental de que sofria estava a sufocar-me. Em alguns dias, a energia extra que tinha tornava o meu trabalho como escritora mais fácil – as pessoas chamavam isso de agitação, eu chamava de “manter-me sã”. Noutros dias, eu mal conseguia tirar a minha camiseta enrugada e sair da minha cama “queen size”. Eu tive que silenciar o meu cético interior. Eu era uma zombie de alto funcionamento que havia atingido o fundo do poço, então, o que tinha eu a perder? Se a hipnose tivesse o poder de me salvar, seria uma tola em não tentar.

O que foi um pouco reconfortante para mim foi o que a pesquisa provou que a hipnose não era apenas um conceito de “woo-woo” e que, de facto, tem efeitos. Um estudo de 2016 realizado pela Faculdade de Medicina da Universidade de Stanford, encontrou alterações em três áreas do cérebro quando as pessoas são hipnotizadas. E as descobertas de 2013 da Universidade de Quebec, em Montreal, revelaram que “os efeitos a curto prazo da hipnose (um a dois meses) e do treinamento para relaxamento eram comparáveis aos efeitos da terapia medicamentosa a curto prazo, e que os resultados a longo prazo até superaram a terapia medicamentosa em certos casos.

Apenas algumas semanas depois, a Joanne, que já estava lotada, reservou tempo para mim na sua agenda. Dois comboios, um táxi e três horas depois eu estava sentada num escritório de canto mal iluminado, de um centro de bem-estar em Long Island.

A nossa sessão começou como qualquer consulta de terapia da fala, enquanto ela me ouvia a retransmitir uma versão abreviada do meu trauma, entre a minha vontade de vomitar – como se passaram sete anos em que comecei a sofrer de insónias induzidas peãs ansiedade, como a minha medicação parou de funcionar, como o peso do meu corpo estava a esmagar-me e como perder o meu emprego e trabalhar como freelancer me aprisionava numa roda de hamster de preocupação.

Perto do final da nossa conversa, ela pediu-me para me recostar numa poltrona de couro vermelho e “relaxar” – uma palavra que verdadeiramente ninguém com ansiedade compreende completamente.

“Você confia em mim?” ela perguntou-me.

“Sim, mas estou preocupada de que a hipnose não funcione comigo. Ou que isso seja algum tipo de coisa, de energia, de farsa.”

“Compreendo”, disse ela. “Mas em algumas sessões, você acreditará”.

Logo, sons musicais tocaram nos meus ouvidos enquanto os meus olhos se fecharam. Durante 20 minutos, a minha mente flutuou na escuridão enquanto a Joanne lia um roteiro sem sentido cheio de “sugestões” – declarações diretas que criam um estado hipnótico – para os meus sobrecarregados pensamentos. Enquanto ela recitava uma série de palavras confusas, parecia que uma varinha mágica espalhava tranquilidade à minha volta como purpurinas. Um formigueiro tomou conta do meu corpo enquanto os carrilhões circulavam no meu cérebro como ondas. E com isso, uma pequena parte do meu mal-estar foi sugada para fora do meu corpo. No final, ela contou até cinco e os meus olhos lutaram para se abrir do que parecia ser uma profunda meditação. A minha mente não parecia controlada, mas um pouco mais calma.

A Joanne disse-me que eu notaria as alterações em dois, três dias. Seriam pequenas, mas a ansiedade e a depressão começariam a “levantar” gradualmente, e dormir não seria uma tarefa tão árdua. Eu deveria visitá-la duas a três vezes por semana e ouvir uma gravação de hipnose de 30 minutos todas as noites antes de ir para a cama.

Apesar de ter feito reiki e meditação, o estigma da hipnose agarrou-se a mim no começo. Mas ouvi a Joanne e segui as instruções simples que me foram dadas.

Na primeira noite em que ouvi a gravação, o meu corpo ficou tenso com o mero som da voz da mulher. As palavras que enchiam o meu ouvido pareciam uma sentença de 30 minutos de prisão: eu forcei-me a manter os meus olhos fechados enquanto tentava acalmar a ansiedade sufocante no meu corpo. Semanas se passaram e eu não senti nada, mas Joanne incentivou-me a continuar. Depois de dois meses, senti algo mudar. Como se um fio estivesse girando lentamente de um carretel, fiquei um pouco mais à vontade.

Eu era militante no meu regime – uma combinação da minha DOC (desordem obsessiva-compulsiva) e uma vontade de fazer o que for preciso para melhorar. Tornei-me mestre em auto-hipnose, viajando muito para Long Island, mais do que nunca.

Tornou-se mais difícil identificar o que havia mudado e quando, mas havia. Apenas seis semanas depois, comecei a dormir a noite toda e vi-me a querer escapar das paredes do meu apartamento. Quase três meses depois, o meu pé constantemente trémulo parou de bater. Eu ganhei um otimismo recém-descoberto que me alimentou quando o meu corpo lidou com o trauma que tinha passado. Eu acreditava na hipnose como as pessoas acreditavam em Deus.

Por seis meses, permaneci nessa rotina até que um dia estava de volta ao meu corpo: não chorava mais, não usava mais a mesma camiseta angustiada. Eu estava a dormir sem a ajuda de medicamentos novamente. O que aprendi foi que as pessoas que estão a lutar com fobias, traumas e outros problemas de saúde mental podem ver resultados com hipnose se estiverem abertas a ela, como eu.

Mas eu mentiria se dissesse que não me vejo em espiral de vez em quando.  A Hipnose não é necessariamente uma “cura”; é uma ferramenta. Às vezes, quando me vejo presa em um “ciclo”, respiro e lembro que sei o que fazer. Toco a minha gravação, fecho os meus olhos e encontro conforto no áudio monótono que me salvou tantas vezes antes. Algumas pessoas podem relaxar com os aplicativos de meditação, mas eu tenho um aplicativo personalizado que me fará – e o meu corpo – dormir.

 

Tradutora do artigo

Sónia Lucas, Hipnoterapeuta Clínica pela London College of Clinical Hypnosis (https://www.lcchportugal.com/ ), membro e faz parte dos Órgãos sociais da AHCP – Associação de Hipnose Clínica de Portugal, (https://www.ahcp.pt/) , onde pode ver a lista dos Hipnoterapeutas clínicos autorizados a exercer a prática em Portugal e que têm supervisão clínica

 

Artigo original/original article:

https://www.nytimes.com/2019/12/07/opinion/sunday/hypnosis-treatment.html?fbclid=IwAR1dgk2fn5Osh2tM9KSAhCFaN0YODEkILTAn9FJaQFiectjbpxG-XLR8u2U